quinta-feira, 26 de setembro de 2013

SE DESVIAR DO MAL


No primeiro versículo do  capitulo 1 do livro de Jó somos informados a respeito do tipo de pessoa que ele era. O mesmo é chamado de integro, reto, temente a Deus e apresentado como alguém que se desviava do mal. Veja:

“Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; e era este homem íntegro, reto e temente a Deus e desviava-se do mal.”
                                                                  (Jó 1:1)


O quero destacar ao escrever este texto é o trecho "desviava-se do mal". Pode ser? Vamos lá.

Pense comigo:

 Partindo do princípio de que Jó desviava-se do mal, podemos dizer que de alguma forma este ia de encontro a ele. Acredito que assim como nas nossas vidas a presença daquilo que desagrada a Deus e uma consequente luta contra isso era uma constante na vida daquele homem. Contudo, mantendo a sua integridade e retidão, Jó conseguia desviar desse mal usando da sua capacidade de diagnosticar aquilo que atrapalhava a sua comunhão com Deus. Você pode discordar, mas acho que está aí maior qualidade deste homem.  Onde? No saber identificar e diferenciar o bem do mal. 
Tenho percebido que essa função em nós muitas vezes não está habilitada. Ah, você pode discordar novamente, mas acredito que é por isso que chamamos o bem de mal e o mal e o nada a ver de bem. 

Há um provérbio que demonstra bem esse defeito nosso. Olha aí:

“Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.”
                                                        (Provérbios 14:12)

  • É bom destacar que dentro de como funcionava a relação que Deus queria ter com o homem no período histórico de Jó, com o seu modo de viver, este agradava a Deus. Podemos dizer que dentro do que ele conhecia do caminho ele era fiel. 


Você pode discordar novamente, mas acredito que temos falhado nesse sentido. Por quê? Porque hoje parece que não entendemos que o caminho para desviar-se do mal é Jesus. Parece que não compreendemos que o relacionamento que Deus quer ter conosco está diretamente ligado a Ele. 

Olha aí:

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.”
                                                              (João 14:6)

 Da maneira que vivemos, muitas vezes, não vivemos como quem tem o Filho de Deus como caminho. Por quê? Porque sendo Ele o caminho, é nEle e com Ele que temos que caminhar. É como Ele mesmo disse:

“E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me."
                                                             (Marcos 8:34)

No mundo no qual vivemos o negar a si mesmo é visto como loucura. Por isso, a cada dia mais, mais pessoas vivem em função de si mesmas buscando de diversas formas viverem uma vida regada de uma satisfação egoísta. 

Aí você me pergunta: 

— O que isso tem a ver com o meu relacionamento com Deus?

 Tudo. Pelo fato de muitos de nós não serem fortes o suficiente para influenciar a este mundo, por ele, estes são influenciados. E quer saber? O “deixar a vida me levar” deste mundo não nos aproxima de Deus. Ah, o “nada a ver” não existe!

Lendo isto, talvez você busque se justificar dizendo que está no caminho certo pelo fato pensar fazer coisas para Deus. Então... Se você se justifica com esse argumento, você está redondamente enganado.  Nada do que você faz te justifica, viu?  Veja:

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
Não vem das obras, para que ninguém se glorie;
Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.”   
                                                            (Efésios 2:8-10)

Aí você me diz:

— Ah, mas eu canto na igreja, danço, profetizo, expulso demônios, faço de tudo. Não é possível que isso não me justifique e diga que estou no caminho certo!”.

Não diz. Olha aí:

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.
(Mateus 7:21-23)

Segundo o que está escrito nestes versículos, aquele que faz a vontade de Deus é o que está no caminho certo. Mas como saber qual é a vontade de Deus? 

Respondo da seguinte forma:

Só há como saber qual é a vontade de Deus se entregando com sinceridade a Jesus. A partir daí, estando Ele vivo em nós, há em nós a renovação do entendimento e consequetemente a compreensão de qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.


Oremos a Deus pedindo a Ele que não nos permita ser alcançados pelo engano do pecado e que assim como Jó consigamos nos desviar do mal.