segunda-feira, 14 de setembro de 2015

BÊBADOS

Por que Bêbados? Por que, de uma maneira ou de outra, é o que somos. Não quero dizer que todos nós somos alcançados pelos efeitos da ingestão excessiva de álcool. Não mesmo. Afinal, somos capazes de nos drogar de coisas que nem drogas são. O que me leva a acreditar nisso? Os nossos mais variados instrumentos de fuga da realidade.
O pior é que os efeitos já se tornaram comuns a ponto de nos levarem a acreditar que o que eles causam em nós já é parte de quem somos. É, pensando que estamos sóbrios e que não nos tornamos dependentes acabamos nos tornamos dependentes de coisas que nos roubam de nós mesmos. Ah, não pense que me excluo desse enorme grupo de bêbados. Só Deus sabe onde me excedo e derrapo emprestando as rédeas da minha vida ao homem deste tempo (um ser narcisista, hedonista, e egoísta). A ideia de escrever esse texto surgiu a partir da reflexão a respeito da passagem bíblica na qual Paulo aconselha ao Efésios a não se embriagarem com vinho, no qual há devassidão, mas que eles se enchessem do Espírito (Efésios: 5. 18). Por isso, acredito que ele diria o seguinte se escrevesse ao ser humano do século 21:
Não vos embriagueis com a comida, na qual há a gula e a compulsão...
Não vos embriagueis com os cuidados estéticos, nos quais há vaidade exacerbada.
Não vos embriagueis com o entretenimento, no qual há fuga da realidade.
E por aí vai...
Ah, em todos os casos:

..., MAS ENCHEI-VOS DO ESPÍRITO

Ah, é bom lembrar que os males citados são consequências de excessos. Afinal, não há nada de errado em comer, cuidar da nossa aparência, e se entreter. O problema é permitir que os cuidados com essa vida nos levem a viver em função dela.

Por mais que o presente grite que não há nada além dessa existência aqui, eu e você podemos ter a certeza de que tudo não se limita ao que os nossos olhos podem ver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário